Planeta Amarelo – A revolução das Cores

Planeta amarelo (1)

Lana se levantou e foi para a escola, a manhã estava linda e ela muito feliz e inspirada. Aquele era o dia mais esperado da semana porque era o dia da aula de artes e ela poderia colocar toda a sua inspiração no papel através de lindos e coloridos desenhos.

Na bolsa estava seu mais novo presente, uma caixa de lápis com trinta e seis cores que Lana fazia questão de mantê-los sempre do mesmo tamanho, nunca deixando nenhuma cor esquecida, e isto tornava suas obras de artes vivas e vibrantes.

A professora sempre dizia que artes não devia ser cópia, e sim expressar o sentimento do artista, seus sonhos, desejos, medos, sua forma de ver o mundo, deixando aparecer assim o seu traço particular.

Desenhos coloridos e cheios de vida, este é o traço da artista Lana.

Dizia ela para si mesmo.

Naquele dia, então, sua obra de arte seria um arraso, porque ela estava cheia de bons sentimentos, muito inspirada e pronta para encher o mundo de alegria, amor, vida e tudo isto traduzido em muita cor.

Entrou na sala de aula deu bom dia para os colegas e para a professora e se sentou. Tirou os materiais, deu mais uma olhada para seus lindos e coloridos lápis e esperou a aula começar.

– Hoje vocês farão um desenho do mundo, mas não o mundo que vemos e sim o mundo que queremos ver.

Anunciou a professora.

A imaginação de Lana já viajou, ela morava numa grande cidade e o que ela via era fumaça, muitos carros, pessoas transitando sem olhar umas para as outras…

E o que ela queria ver era mais bicicletas nas ruas, árvores, flores nas calçadas, pessoas mais comprometidas com os outros e com a natureza…

Com a cabeça borbulhando de ideias, iniciou seu desenho, fez primeiro com lápis de escrever para depois começar a colorir. Escolheu suas cores favoritas e começou a pintar…

-Ei, eu não quero esta cor. Prefiro amarelo.

Lana olhou de lado, mas todos os colegas estavam de cabeça baixa criando seus desenhos.

“Ah, deve ser coisa da minha cabeça”.

Começou novamente a colorir…

-Ei, já disse eu não quero esta cor. Prefiro amarelo.

Lana olhou sem entender, a voz estava vindo do papel. Olhou novamente do lado para se certificar de que ninguém estava vendo e falou baixinho:

– Você está falando comigo?

-Claro que é com você, com quem mais seria.

Lana encostou-se à cadeira procurando um lugar para apoiar, estava totalmente sem chão.

“Uma flor falando e ainda de uma forma tão atrevida”.

-Então você quer que eu te pinte de amarelo?

-É.

-Tá bom.

Quando Lana terminou de pintá-la viu que estava linda, adorava amarelo. Pegou outro lápis para colorir outra flor e novamente ouviu uma voz:

-Ei, eu também quero ser amarela, como ela.

Lana tentou argumentar, mas aquelas flores eram muito birrentas e não adiantava tentar discutir.

No final a coloriu e todas as outras de amarelo e como se não bastasse, todos os outros objetos do desenho também queriam ser amarelos.

“Eles devem ser do planeta amarelo, e não conhecem outra cor. Mas tudo bem eu adoro amarelo”.

planeta-amarelo4

Pintou com maior capricho, e quando terminou Lana olhou para o seu desenho e viu que tinha realmente construído um planeta amarelo, amava aquela cor, mas descobriu que o que a deixava tão linda era o contraste com outras cores, ali sozinha ela era sem graça e sem vida.

E mais, onde estava o seu traço, de quem era aquele desenho, cadê a vida, o colorido que lhe era próprio.

A escolha de como será a criatura está nas mãos do criador, mas ali elas se rebelaram e ela como criadora não teve nenhuma decisão. Lana estava desconsolada, olhou para os seus colegas e todos estavam envolvidos com seus desenhos.

Continuou por mais um tempo olhando para eles.

Como sua classe era colorida, todos eram diferentes, cabelos pretos, vermelhos, amarelos, lisos, crespos, curtos, longos, narizes, bocas… tudo diferente. Mas Lana se lembrou de que a Ana não queria ter os cabelos avermelhados, preferia que fossem pretos como os da Lídia, que por sua vez queria que os seus não fossem crespos e sim lisos como os de Yasmim, que queria ter os olhos cor de mel como Priscila que preferia não ser tão magrinha, mas ser gordinha como a Elisa e assim por diante.

Ou seja, não era só ali, nos seus desenhos que as criaturas eram rebeldes, ela mesmo já quis mudar muita coisa em seu corpo. Mas agora via como seria sem graça se fôssemos iguais. E no mais o pintor tem uma visão maior que a pintura e pode avaliar melhor a beleza.

E olhando ali, Lana via que a característica física combinava com o jeito de ser de cada um.

Planeta amarelo (2)

Ela chegou a pensar em rasgar aquele desenho e fazer outro. Mas tinha aprendido uma lição importante e resolveu apresentar aquele mesmo à sala.

Os colegas quando viram seu desenho, não conseguiram esconder a frustração, já estavam acostumados com a vida e colorido de seus desenhos, que aliás, representavam bem seu jeito de ser e naquele não tinha nada dela.

planeta-amarelo3

A professora usou aquele momento para explicar a importância da diversidade:

-Somos todos diferentes não apenas fisicamente, mas na forma de ver o mundo, nos talentos… Mesmo se pintarmos os objetos de uma cidade inteira de amarelo, eles continuarão sendo diferentes, temos diferenças muito mais profundas que as físicas.

Todos estavam atentos nela:

-Pensou se todos gostassem de matemática, o que seria do português, ou se todos quisessem ser pintores, quem seriam médicos, mecânicos…

-Nossa aparência diferente é só uma parte de nossa diversidade.

planeta-amarelo5

A partir daquele dia Lana e seus colegas iniciou uma nova forma de olhar o mundo e a si mesmos. Aprenderam que eram formados por um conjunto de características, e mesmo se encontrassem alguma coisa em si ou nos outros que não gostassem muito, poderiam procurar que encontrariam muita coisa que certamente gostariam.

Definir uma pessoa com uma única característica era como pintar o planeta inteiro de amarelo, estaria tentando esconder o que ele tinha de mais belo.

Este é um conto de minha autoria. Adoraria saber sua opinião sobre ele.

Related posts:

Meu nome é Meirilene Reis. Sou leitora desde os dez anos de idade, quando descobri em ” a marca de uma lágrima” livro de Pedro bandeira, de meu mundo acinzentado uma janela para um mundo colorido, vibrante e cheio de possibilidades. E escritora desde que descobri nas estórias uma forma de expressão, de comunicar o que não conseguia fazer de outra forma. E esta experiência estreita com os livros tem me mostrado que não há limites, para a imaginação nem do leitor nem do escritor, e isto me fascina. A literatura é pra mim um ponto, um eixo, onde em algum momento os mundos das pessoas se encontram, porque ali, tanto na leitura, quanto na escrita, nos despimos de preconceitos, e nos permitimos vivenciar a vida do personagem, que de alguma forma se encontra com a nossa.

Eu adoraria saber sua opinião.