Adoção: Filhos da Escolha.

“O que torna a rosa especial é o tempo que dediquei a ela”

adoção

Quem na vida optou pela adoção de crianças ou tem amigos ou conhecidos que fez esta escolha, sabe que talvez um dos maiores desafios dos pais é enfrentar o preconceito e a falta de noção das pessoas. E não precisa nem estar tão perto pra ver que sempre há constrangimento nos encontros de família, escola, trabalhos e …

Infelizmente olhamos na maioria das vezes para a adoção como um ato de caridade e consequentemente para os pais como “caridosos” e para o filho como o coitado que a princípio não era ninguém e depois sendo objeto de tamanha bondade terá que passar o resto da vida nesta situação de agradecimento.

Adoção é sim um ato de amor, como é a maternidade e a paternidade. Um ato de entrega. E quem quer ajudar, fazer o bem às pessoas, existem serviços sociais e voluntários, ONGs para receber doações… Enfim, não faltam formas de se envolver com o social.

Adotar uma criança por vontade de ajudar as pessoas não é uma boa opção, porque vai de certa forma realçar aquela situação de que um está dando e o outro recebendo e isto pode trazer implicações ruins com o tempo.

Adoção é uma entrega incondicional, uma relação transformante, porque temos a ideia de que amamos muito nossos filhos porque vieram de nós, é parte de nós e vamos perceber que somos capazes de mais, não precisa ser parte de nós para ter nosso amor incondicional, aliás nisso concordo com o pequeno príncipe, o que torna a rosa especial é o tempo que dediquei a ela. Tanto que se descobrimos no futuro que um filho foi trocado na maternidade, não deixaremos de ama-lo por isto, o tempo o transformou em parte de nós e não é diferente na adoção.

Eu sou mãe biológica, e quando descobri que estava grávida, tive a oportunidade de escolher: abortar, levar para adoção, colocar na porta de um vizinho bondoso… Assim como o pai, poderia não assumir a paternidade, pedir o divórcio e sumir no mundo…

Mas não, escolhemos, veja bem, escolhemos adota-la como filha. Logo ela é filha adotiva e mais independente se nasceu da barriga ou do coração como costumam dizer por aí, ela é filha da escolha, da nossa decisão de sermos pais dela.

Eu conheço muita gente que passa a vida inteira reclamando que sua vida fracassou por que teve que cuidar dos filhos. Não seria melhor se tivessem se dado esta oportunidade de escolha? Ela não precisa e nem deve ser neste momento é claro, melhor que seja antes da gravidez, mas ela é necessária, para sermos pais inteiros, entregues, capazes de dar amor incondicional, sejam eles filhos nascidos da barriga ou do coração. Serão filhos adotivos, filhos da nossa escolha consciente.

Related posts:

Meu nome é Meirilene Reis. Sou leitora desde os dez anos de idade, quando descobri em ” a marca de uma lágrima” livro de Pedro bandeira, de meu mundo acinzentado uma janela para um mundo colorido, vibrante e cheio de possibilidades. E escritora desde que descobri nas estórias uma forma de expressão, de comunicar o que não conseguia fazer de outra forma. E esta experiência estreita com os livros tem me mostrado que não há limites, para a imaginação nem do leitor nem do escritor, e isto me fascina. A literatura é pra mim um ponto, um eixo, onde em algum momento os mundos das pessoas se encontram, porque ali, tanto na leitura, quanto na escrita, nos despimos de preconceitos, e nos permitimos vivenciar a vida do personagem, que de alguma forma se encontra com a nossa.

Eu adoraria saber sua opinião.